Assinatura RSS

Eu Te Amo, Chico Buarque e Análise Crítica

Publicado em

Eu Te Amo – Chico Buarque

”Ah, se já perdemos a noção da hora

Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Ah, se ao te conhecer
Dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios ainda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir.”

Só digo uma coisa, essa letra é altamente machista.

Reparem, o eu-lírico, masculino, reafirma o relacionamento em que ambos tiveram que sacrificar um pouco de suas vidas, um relacionamento provavelmente não aceito pelos relacionamentos familiares/amizades de ambos os lados, afinal,

“Se juntos já jogamos tudo fora“,

“Rompi com o mundo, queimei meus navios”.

Porém, vejam, o primeiro verso destaca o sacrifício dos dois amantes, já o segundo, se remete a um sacrífico próprio. O eu-lírico rompeu com aquilo que era normal e renunciou a um suposto conforto sentimental/material em sua vida. Além disso, ele até mesmo planejou sua vida tendo como referência o novo amor proibido, “Dei pra sonhar, fiz tantos desvarios“.

No entanto, a personagem feminina está terminando este relacionamento baseado no sacrifício e na renúncia à vida cotidiana, ao status quo. Ela também se sacrificou, ela também passou pelos sofrimentos do eu-lírico, entretanto, decide-se por acabar com tudo. Qual a reação do eu-lírico?

“Agora conta como hei de partir…

…Me explica com que cara eu vou sair…

…Diz com que pernas eu devo seguir…

…Me diz pra onde é que inda posso ir…

…Me conta agora como hei de partir”

O grande problema está exatamente na renúncia. O eu-lírico não está preocupado com o relacionamento em-si, mas sim com a sua situação após o término. Ele perdeu todos os laços que tinha, perdeu totalmente sua estabilidade (assim como ela, “Se entornaste a nossa sorte pelo chão“) e, com o fim, não tem mais uma base para seguir com a própria vida – mas essa base não é sentimental, eu creio que essa música não é um choro piegas pelo amor perdido, mas sim um reclame pela vida perdida. Perdeu-se a própria segurança do sonho-médio.

Vale lembrar que,

“Se na bagunça do teu coração

Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido

Meu paletó enlaça o teu vestido

E o meu sapato inda pisa no teu”

Se na sua escolha mal-tomada de nosso relacionamento, eu perdi todo meu porto-seguro. Estamos juntos pra sempre, você queira ou não. Não é uma questão de decisão, mas de destino. Nossa união é uma obrigação que você está negando por ímpeto impensado.

A colocação dos objetos inanimados que, sem sua decisão, encontram-se entrelaçados, não simboliza um amor que ainda resta entre os dois, mas, muito pelo contrário, simboliza uma amor que nunca foi embora, pois não é um amor escolhido, é uma amor destinado.

Enquanto a personagem feminina é a figura do sujeito absurdista, que vive o momento, que goza do que e com o que há, que procura sentido na vida constantemente, mas que não se entrega ao suicídio, seja ele moral ou físico, se revolta; o eu-lírico é o cristão clássico, romântico, que abdicou da família ortodoxa pra viver um relacionamento fora do padrão/das exigências familiares, porém, ao perceber que ficará sem companheira em seu suicídio social, tenta retomar a relação já falida por meio da pressão disfarçada em romantismo.

Anúncios

Sobre Vinicius

Fascista desde criancinha.

»

  1. Eu não concordo, onde está o machismo.?
    A música é uma reação do eu-lírico diante a uma separação justificada pela falta de individualidade e paixão.Quando digo paixão é para diferenciar de amor, por isso a música se chama Eu te amo, pq ele não ama, e ela também não, é um sentimento apaixonante.
    a reação do eu-lírico é de pavor ,já que eles estão tão entrelaçados e confusos , teme perder sua existencia.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: