Assinatura RSS

Conversa de Trem, Anacronismo e Liquidez Moderna

Publicado em

Hoje eu estava voltando de trem para casa e não pude deixar de escutar uma conversa muito boa entre dois amigos, um homem e uma mulher, a respeito de suas relações e das relações do amigos. O papo foi interessante de ambos os lados, vejamos.

O rapaz a todo momento dizia como o amigo dele foi errado em não dar valor para os relacionamentos onde a namorada realmente gostava dele, realmente se importava com ele e etc, e que sua namorada atual “só dá vexame”. O ponto alto foi a afirmação de que o rapaz deveria “ensinar ela. Dizer como se comportar, mandar ela parar de conversar alto” e etc. O que concluo disso? Bom, a moça deve se desprender de seus costumes, sejam eles quais forem, pelo namorado? Pela convivência em grupo? Esse não é o ponto.

Pra mim, o ponto é: o rapaz precisa ensinar sua namorada a se portar perante a sociedade, enquanto namorada dele. O que temos aqui é a velha noção do patriarca que, literalmente, cuida/educa da esposa. Vale dizer que não há nada de romântico nisso, pois logo que percebemos que o valor social da mulher se esvai, vaza pelo “bom” tratamento recebido, já ficamos perto de ter a resposta indesejada – a mulher se torna um sujeito “reciclado”, simplesmente não-livre.

Não é só um “toque de amigo”, é a utilização da autoridade masculina e, obviamente, não se trata somente de uma relação individual, não é culpa do rapaz, apesar dele ser responsável imediato, nem culpa da moça em aceitar a autoridade, caso aceite – é um fenômeno social e somente neste âmbito pode ser resolvido. Óbvio que não significa que devemos esquecer dos atos em âmbito individual, também é necessário negação da ordem neste âmbito.

Apesar deste comentário, o que me deixou também muito interessado foram os comentários da mulher, amiga dele. Ela dizia, “hoje penso primeiramente em mim, depois na família, depois nas outras pessoas. Se tá tudo bem pra mim, aí eu vejo se posso fazer alguma coisa pelos outros. Já cansei de levar os outros em consideração e a mim por último”. Ou seja, ela “começa a se perguntar com maior frequência “o que eu ganho com isso” e exigir mais resolutamente dos parceiros e de todos os demais que lhes deem “mais espaço” – ou seja, manter-se distanciados e não esperar, totalmente, que os compromissos assumidos durem para sempre”.

É a demonstração de como os relacionamentos, sejam eles de afetividade, econômicos e etc, são cada vez mais líquidos e que seus participantes são cada vez mais individualistas e… inseguros. O outro já é um inimigo, nunca uma esperança. Ou melhor, o outro já assume seu papel de mercadoria, que pode ser tratado como um ser dispensável. No fim, não há mais relacionamentos, mas sim, conexões – fáceis de serem quebradas, supostamente leves e libertadoras.

Dentro dessa conversa, já é possível ver a união do novo e do antigo, uma coexistência do patriarcado enferrujado e da liquidez moderna, no entanto, essa união é das pontas nojentas da modernidade e da, digamos, antiguidade.

Não é esse o cenário brasileiro, como um todo? Uma política econômica liberal se estreitando com uma moral de viés conservador?

Anúncios

Sobre Vinicius

Fascista desde criancinha.

»

  1. O legal (bom, não sei se legal… mas ineressante) das relações de gênero é que elas se dão de modo tão intrínseco que é difícil reduzir o machismo à “desvalorização da mulher”. É uma desvalorização do homem também. O homem que não consegue colocar sua namorada “em seu lugar” também passa a ter sua virilidade ferida.

    Mas o trecho que me fisgou foi esse aqui:
    “É a demonstração de como os relacionamentos, sejam eles de afetividade, econômicos e etc, são cada vez mais líquido e que seus participantes são cada vez mais individualistas e… inseguros. O outro já é um inimigo, nunca uma esperança. Ou melhor, o outro já assume seu papel de mercadoria, que pode ser tratado como um ser dispensável. No fim, não há mais relacionamentos, mas sim, conexões – fáceis de serem quebradas, supostamente leves e libertadoras.”

    E é o que me faz ter menos gosto pela vida, a não ser quando estou cercado do que se chama “gente velha”.

    Responder
    • “Gente velha” costuma estranhar esse tipo de conexão, essa tal facilidade de simplesmente se afastar do conectado e etc. E é a falta dessa disponibilidade de conexão que, muitas vezes, traz o isolamento, tédio de tudo e todos e etc.

      Vlw o comentário!

      Responder
  2. Belo texo parabéns, muito bem enfocado e bem atual.

    Responder
  3. Muito bom texto. Esse machismo e a cultura de que a mulher ainda deva ser submissa me indigna, como você viu num post meu. O pior não é somente querer moldar a mulher, como uma mercadoria, Aí está incutido também algo ainda pior, que é moldar aos padrões da sociedade do namorado. Ou seja, não quer dizer que ela não seja boa, ela não é considerada educada nesse grupo específico do namorado. Mas quem disse que o comportamento desse grupo seja o correto, ou o melhor? E ai a mulher se perde mais ainda permitindo-se mudar sua essência por uma boa forma subjetiva.

    A segunda parte, a das relações, é bem interessante também. Exatamente as mesmas coisas ditas por Bauman em uma de suas visitas aqui no Brasil. A triste realidade e volatilidade das relações líquidas. Porém temos duas escolhas: ou vivemos no passado mergulhados num mar de saudosismo, ou tentamos nos adaptar à realidade da mudança e da chegada no novo – o que é mais difícil, claro!

    Responder
    • Sim, sim.

      Mas o que é pior, não é essa questão do certo e do errado, certos valores e normas são coercitivos, nem dá pra se discutir um respeito ao indivíduo. O que devemos olhar é de onde que esses valores já cristalizados na sociedade estão se embasando e tentar modificar isto.

      Estudando, estudando e sabendo o que fazer..

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: