Assinatura RSS

Pinheirinho, Rousseau e Marx

Publicado em

O caso pinheirinho é uma demonstração da imperiosidade da propriedade privada em nossa sociedade civil, sua proteção como proteção de princípios básicos do próprio sistema que a alimenta a existência da propriedade privada. Não seria estranho se a decisão não fosse a fazer de Naji Nahas? Não seria estranho se um Estado democrático-liberal apoiasse uma ocupação? Uma mancha na propriedade privada?

Eu creio que são nestes episódios que podemos ver a real forma de agir de um determinado governo e, até mesmo, do próprio Estado, pois, ao mesmo tempo em que tenta apoio popular, fazendo do seu interesse um interesse geral, sendo ele a suposta representação da sociedade civil, o problema é que esse interesse geral é oposto ao interesse coletivo, exatamente pelo problema colocado por Rousseau, nO Contrato Social, onde, uma deliberação perfeita sobre um assunto de âmbito social deveria ter o princípio de raciocínio com objetivo no conjunto como um corpo, ou seja, um interesse geral (Rousseauniano), sendo contrário ao interesse de todos, sabendo que tal modo de deliberação para um assunto social levaria em conta cada um pensando em si, não nos outros como sociedade, portanto, o fim seria uma gama enorme de interesses particulares que, de maneira desorganizada, mantem-se como hegemonia.

Ainda sim, não seria o que Marx nomeia de interesse coletivo, nA Ideologia Alemã, onde, conforme a termologia da primeira parte do parágrafo, o interesse coletivo seria o interesse expresso pela sociedade civil, o interesse geral, por sua vez, estaria localizado no discurso do Estado, que ilusoriamente, faz de seu discurso um discurso em prol geral – e de todos, por ser de todos, geral. Em uma sociedade como a que Marx vivia, no século XIX, com o capitalismo em plena ascensão e alta diferença na divisão do trabalho, defender o interesse de todos (logo, da cada um dentro da sua individualidade), como um interesse coletivo, digo, a própria defesa como um interesse coletivo, emerge como produto do próprio individualismo e da naturalização de uma Estado Lockeano, tendo o fim de proteger a propriedade privada. O interesse geral Marxista seria o interesse de todos Rousseauniano, expressado individualmente e fantasiado como coletivo, se utilizando deste para sua própria reprodução.

Mas a fuga de Rousseau do interesse de todos não terminado muito bem, logo que, para o autor, o interesse expressado individualmente, porém, tendo como objetivo o bem do outro, seria o ato legítimo de uma deliberação na sociedade civil, mas este interesse ainda é individual. Ainda não há uma noção de consciência coletiva, atuante de forma coercitiva ou ideologia, intermediando a nossa percepção sobre as relações sociais. A ideia de Rousseau ainda carrega a bagagem de uma teoria onde a ação voluntária é uma ação deliberada e expressa do interior para o exterior, sem o primeiro processo de interiorização para, após isso, haver a possibilidade de exteriorizar.

Podemos considerar em Marx, a classe proletária como universal, reafirmando o caráter mundial do próprio capitalismo e a maneira como penetra e suplanta aquilo que está fragilizado, sempre estendendo sua atuação, e produzindo novas formas de produzir; Ele classifica o proletário como indivíduo histórico-mundial, por ser sua situação em relação à posição social, encontrada espalhado por todo o globo sob os mesmo pressupostos. Pode-se levar em consideração a palavra indivíduo, porém, o próprio indivíduo, ao ser histórico-mundial, carregada em sua linguagem, em sua expressões, os limites históricos e por conta disto, se torna sujeito histórico, delimitado pelo próprio contexto histórico-social.

Se o proletário é indivíduo histórico-mundial, se é sujeito histórico, então sua exploração não é uma questão individual, é uma questão histórico-social, envolvendo determinados indivíduos que partilham da mesma posição social, sob determinadas formas de poder, mas que geram opressão sob qualquer circunstância.

Anúncios

Sobre Vinicius

Fascista desde criancinha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: