Assinatura RSS

Extupro Coletivo na Paraíba, Mulher Objeto e Consumo da Mercadoria

Publicado em

Ocorreu um crime horrível na Paraíba onde mulheres foram estupradas coletivamente como forma de comemorar o aniversário de um homem. Este era o presente. Entretanto, duas mulheres viram os rostos (que estavam encapuzados) dos estupradores e, por conta disso, foram mortas.

Este é o tipo de assunto que a gente simplesmente reproduz o fato, não há muito o que argumentar, não há muito o que pensar, a primeiro momento, no entanto, creio que é bacana falar sobre a própria sensação de “presente” que este ato se deu. Como alguém pode considerar um presente estuprar várias mulheres? Como um abuso sexual, uma destruição da alteridade, a reificação total do outro pode ser um presente? Exatamente por isso.

A condição de presente se dá pela própria coisificação da mulher. Não há dúvida que a mulher é amplamente coisificada, objetivada na sociedade, sendo essa objetivação até mesmo uma crítica machista para a afirmação de que não há opressão por gênero. Se a mulher tem liberdade para ficar seminua na televisão, desafiando todos os valores cristão e etc, como ainda pode haver opressão? Como isso pode ser um sinal de opressão? Não deveria ser o sinal da quebra dos próprios valores cristãos, conservadores, etc e etc?

A exposição dos corpos das mulheres na TV (para tomar este exemplo comum) é só a afirmação dos valores conservadores. Esta exposição se torna, ainda, uma prova da existência de tais valores e sua confirmação dentro da sociedade – a prova disso é o próprio status das mulheres que trabalham desta forma, elas são o objeto de desejo sexual, são aquilo que todo homem queria ter por um noite (ou simplesmente quando estivesse a fim), são a mercadoria sexual perfeita, entretanto, nada disso é de elevado valor social.

Então, a consideração do presente como tal, leva em conta a própria consideração da mulher como a mercadoria sexual perfeita, o estupro é o consumo dessa mercadoria. Qual foi o presente? O consumo de uma mercadoria. Bauman explica que o desejo “é a vontade de consumir. Absorver, devorar, ingerir e digerir – aniquilar”, não foi exatamente isso que pôde ser visto? A mulher, mesmo objetivada, ainda é um outro, como tal, sua presença ainda é intimidadora – ainda instiga a total assimilação ou destruição.

O outro é sempre intimidador, sempre é algo que não sabemos ao certo e que pode, a qualquer momento, ser aquilo/fazer aquilo que menos esperávamos, sua existência nos desestabiliza e o desejo é a forma de consumirmos tudo aquilo que seja possível, jogando o resto na lata do lixo. Consumindo aquilo que a mercadoria me serve e rejeitando os restos como refugo, oras, se a mulher é objeto, ao mesmo tempo que é a interrogação do outro, sua própria existência é uma afronta e a ação de defesa ao outro é, de alguma forma, o incluir em nosso eu, entretanto, as próprias relações sociais que mediam homens e mulheres já trazem uma dominação intrínseca.

O homem consome sua mercadoria pela afronta de sua existência e rejeita os restos sob a forma de representações morais. A mulher se torna, então, o objeto de desejo, a mercadoria sexual, mas, além disso, a víbora venenosa, a manipuladora – a vadia.

Anúncios

Sobre Vinicius

Fascista desde criancinha.

»

  1. Ainda hoje estava eu estudando estética e como a “beleza pode salvar o mundo” no sentido de tornarmos mais humanos como Platão, Kant, Schiller colocam… Quando vejo esse seu post mostrando um ato de barbárie basicamente olho pro mundo e penso que meu trabalho em humanizar pessoas é tão pequeno que… Dói pelas vítimas e pela sociedade que naturaliza preconceitos.

    Dói mais ainda por que eu já estive em Campina Grande e Queimadas trabalhando como voluntária para melhoria da condição de vida de pessoas excluídas da sociedade e esse trabalho foi um norte na minha opção pelo trabalho com educação.

    Assim… Dói. Dói socialmente.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: