Assinatura RSS

Arquivo da tag: simone

Simone de Beauvoir, Política Corrupta e Violência Simbólica

Publicado em

Ontem, uma mulher e sua filha foram mortas no Afeganistão por homens armados, sob a acusação de atividades imorais e adultério, porém, a mulher era viúva. No Afeganistão, 87% das mulheres já sofreram algum abuso por parte de homens, seja violência (física, psicológica ou sexual) ou casamento forçado.

Basicamente, caso você tenha vagina, você será um sujeito inferior.

Isso me faz lembrar da declaração de Simone de Beauvouir, sobre os negros nos Estados Unidos, onde, ao perceber que os americanos tentavam fazer descobertas científicas para provar a inferioridade negra, ela declarou, “Isso não é necessário, basta andar nas ruas”. Nem preciso dizer que a mesma foi altamente mal interpretada em relação à essa frase.

Sem muitas explicações, a mensagem da frase é: se você é simbolicamente inferior, reconhecido como tal e se reconhece como tal, então você é inferior. Não significa que objetivamente essa inferioridade seja verdadeira. Ela é simbólica, mas, enquanto existir, enquanto for reconhecida pela “vítimas”, continuará sendo hegemônica… Continuará sendo verdade. Eu coloco aqui a mesma coisa para a questão do patriarcado e suas consequências.

Já fiz um post sobre cliotoridectomia e perguntava, no fim do texto, como seria possível uma articulação de liberdade, quando, na sociedade respectiva, não há nem mesmo o conceito de liberdade? Como protestar pela humanidade da mulher, quando as mulheres não são nem conceituadas como seres humanos de iguais direitos aos homens? Como articular uma argumento quando não se tem linguagem necessária para isso?

Então, reformulo a frase supostamente racista da Simone de Beauvouir: por que tentam, a todo momento, demonstrar uma inferioridade da mulher, por meio de comerciais, piadas, novelas, filmes e etc? Basta andar nas ruas que você perceberá isso. Mas, o que isso significa? Que a suposta inferioridade feminina está incrustado na linguagem.

Esse modo de reconhecimento de massa e etc, também está incluso em outro assunto de suma importância: a política. A política é comunicada como ruim, é reconhecida como ruim, os políticos são tidos como a política personificada, logo, defender algo que envolva assuntos políticos se torna ingenuidade, imaturidade, afinal, “Não está vendo toda essa corrupção?”. Dentro deste contexto o apolítico tem sua posição firmada.

Entretanto, o apolítico é a política ideológica vigente sendo reproduzida de maneira absurda.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: